<$BlogRSDUrl$>

Tuesday, March 30

Dúvida


Tenho saudades tuas. Penso em ti.

voltarás algum dia?


Comments: aqui ou aqui:

Sunday, March 28

Para Ti


- Gosto muito de ti, disseste.

- Eu também.

- Também gostas de muito de ti, é?

- Não. De ti.

- E de ti, não gostas?

- Nem por isso...

- ...

- Bom... talvez goste da parte que gosta de ti!


Comments: aqui ou aqui:

Friday, March 26

Quando regressares a casa já será tarde


Quando regressares à casa que hoje abandonas, apenas o seu espaço restará. Eu já terei partido, inspirado num outro amor que não o teu. Em cada murmúrio que desrespeitaste, eu senti-te dentro de mim, embora tu, ao abrigo de uma incompatibilidade inexistente e que só na tua cabeça ganhava sentido, vezes sem conta rejeitaste o corpo que te albergava em surdina. Por cada murmúrio que desrespeitaste, deveria castigar-te. Mas ao invés de o fazer, vou só esperar que regresses a casa, como se nunca me tivesses abandonado. Quando o fizeres, já terei partido. Restará apenas o espaço: e a saudade.


Comments: aqui ou aqui:

Wednesday, March 24

Esperando para existir


Sentei-me ontem ao computador na vã esperança que me inspirasses a escrever-te algo. Duas horas, vendo o tempo passar e o Martini a evaporar-se na garrafa minúscula. O copo com dois cubos mas sem alcool. No espaço reservado a existires, apenas a referência do documento que dizia carta a mónica. Mas da carta, só o nome. Os meus dedos à posição de te saudarem, aguardando ordens. O meu cérebro querendo comandar as mãos entorpecidas, esquecidas sobre o teclado. Os meus olhos cansados, fechados, escutando a música que me chegava pelo phones.

Estou cansado de ti: farto de ter-te na minha vida, quero dizer(-te). Sempre a parasitar, vivendo das minhas angústias e tristezas. Quando estavas aqui comigo ao meu lado era assim e agora tão pouco a situação se apresenta diferente. Precisas de mim para viveres, para seres gente, não te esqueceres de quem és, onde trabalhas e de quem gostas. A tua vida sou eu, eu sou a tua vida; a minha vida és tu, tu és a minha vida. Não temos individualidade e somos sanguesssugas um do outro. Tiras-me o ar, eu não te deixo respirar. Crescer e seres tu. Sou insuportável, tu és insuportável. Há uma sinestesia de corpos e pensamentos que não destrinçamos, sob o medo de deixarmos de existir. Como se eu te dissesse ao ouvido inspira, agora expira; como se me ensinasses tudo o que os meus pais levaram anos a construir: não sou ninguém sem ti; tu recusas a sê-lo sem mim. Precisas de mim na mesma proporção em que preciso de ti.

Vou marcar uma consulta para os dois, pedir comprimidos a ver se isto passa. Com as noites de sono que me receitaram já não vou lá. A lista de mezinhas dos que conheço já se esgotou: preciso de descansar, tu precisas de reconstruir o teu ego, de te lembrares de quem és, sem que eu esteja por perto.

És livre, digo-te: acredita em mim.

Porque não voas?


Comments: aqui ou aqui:

Sunday, March 21

O pânico de eu existir


Semeio palavras e crescem frases como árvores, pés de feijão que quase chegam ao céu. Estamos os dois sentados frente a frente no chão frio da cozinha, porque ainda não tens móveis que sustentem o vazio da casa e sorrimos, alheios à felicidade que se apresenta perante nós – ridículo brinquedo que a medo manejamos, como uma partida de carnaval que nos surgiu para doravante lidarmos. Sinto a vida numa palavra tua, a eternidade em cada sorriso que me lanças. Eu respondo, lançando outras palavras que atracam em teu rosto. Um esgar que é um sorriso, um silêncio que digiro no pânico de um dia te perder. Chegaste há pouco da escola e, surpresa das surpresas, eu já te esperava. Quando chegaste, já tinha lavado a loiça do pequeno almoço

(Saio sempre a correr, nem tempo tenho de lavar os dentes)

e até me ensaiei a fazer o jantar, mas tostas mistas não são o teu prato favorito e por isso limitei-me a arredar dos sofás as revistas amontoadas e a varrer o chão com a velha vassoura que trouxeste ainda da primeira casa – do sotão que abandonaste de forma compulsiva, porque o senhorio encontrou quem lhe desse mais dinheiro pelo espaço. Chegas visivelmente cansada, com a tua maleta de médica que alberga os livros e os cadernos e o estojo e os testes – são aqueles os estetoscópios que utilizas para avaliar o sucesso dos alunos. Os mesmos alunos que roubam o tempo que é meu. Abandonaste a casa de banho com uma toalha pelos seios, o cabelo bonito e escorrido a beijar-te as costas molhadas e dizes que não posso abrir a água quente quando estás no banho. São banalidades como esta que me fazem sentir tão próximo de ti. Elevo-me acima do oitavo andar das Olaias e olho-te, perspectiva de quem sabe tudo da vida – vejo que és a mulher da minha vida: tenho tanta certeza disto como estar ali, oitavo andar, algures nas Olaias, um par de vizinhos no mesmo andar, dois elevadores que servem dez andares com 3 fogos cada um. É aquele o início do fim da minha vida. Ao teu lado, penso. Ao meu lado, tu, de toalha pelos seios, os cabelos escorridos e bonitos a beijarem-te as costas molhadas; tu pedindo-me que te penteie, que desta vez não invente, que me limite a passar com a escova de norte a sul; que não comece com ideias a querer fazer esculturas com os teus cabelos – mais logo vamos sair e não queres aparecer com o cabelo em alta tensão.

Agora estamos sentados no chão frio da cozinha, porque ainda não tens móveis que sustentem o vazio da casa e sorrimos, alheios à felicidade que se apresenta perante nós: dali a um instante vamos sair e tu vais distanciar-te de mim. Num acidente que não prevemos, encontramos o teu irmão à entrada do cinema e tu tens pânico de dizeres quem eu sou, que significo eu

(um fantasma)

pois tudo aquilo é novo: desde o tempo em que todos te viam já casada e mãe de filhos de um tal de Lourenço, menino bem e rico do Porto, que ninguém te conhece qualquer namorado, muitos amigos sim, alguns amigos de amigos, mas nenhum namorado – isso nunca. Por isso, quando o teu irmão estende a mão na minha direcção e se apresenta, a tua pele assume um tom escarlate. Eu não me apercebo do que se passa ali, o teu irmão tão pouco. Por entre um silêncio incómodo e um olá tudo bem, dito no pânico de fugir dali, tu apressas-me para dentro da sala.

Ainda nem começaram as apresentações, arrisco. Que não te estás a sentir bem, que te queres sentar – contrapões. O teu irmão a não compreender nada, eu muito menos – apenas esse teu estúpido pânico a assomar-se da tua cabeça preconceituosa

(às vezes és tão pateta)

e a impedir-me de poder ser gente, cidadão educado e com modos. O teu irmão ainda me convida a um café, ainda te tenta convencer que temos tempo. Sabes que temos, mas tu, na fobia de ele sequer saber o meu segundo nome, queres afastar-me dali. Sabes que ele vai perguntar quem sou eu, a idade, que faço, porque estou contigo. Mas tudo isso se apresenta como mistérios que não queres desvendar. Quando já estamos dentro do cinema, o quadro ainda a negro e a música de elevador a entoar, perguntei-te o porquê de tanta pressa,

(somos as únicas pessoas na sala do cinema)

que ainda tinhamos tempo e que poderíamos perfeitamente ir beber o café a que o teu irmão nos desafiou. Tu, visivelmente incomodada, mas sem que querer demonstrá-lo, optas por evadir-te à resposta e naquele momento, primeira vez que estamos frente a frente desde a altura em que estávamos os dois sentados no chão frio da cozinha, porque ainda não tinhas móveis que sustentassem o vazio da casa, sorris e iludes-me com a doce, quanto enganadora, razão de que

não me queres partilhar com mais ninguém.


Comments: aqui ou aqui:

Wednesday, March 17

Miguel II


Miguel não era eu, mas o espectro que se lançara sobre nós – sombra lúgubre que levava a alegria dos meus dias contigo para as calendas do desespero. Por vezes, olhava para ti e perdida num ponto fixo, sorrias. A ocupar-te o pensamento a ideia dele, como se uma anedota florescesse na tua cabeça, tal qual as plantas que germinaste nas escadas do teu oitavo andar das Olaias, à revelia de todos os vizinhos.

Sorrias, flor aberta ao mundo, e pensavas nele. Eu ao teu lado e tu a pensares nele. Eu a colocar-me em bicos de pés para existir e ele a não precisar de aparecer, a persistir nas nossas vidas à custa das tuas estúpidas recordações. Tu a sorrires e a quase esqueceres tudo o que te mutilara e te transformara em alguém pior, asseguravas. Que noutras alturas, tu não eras assim. Mais solidária, mais preocupada, mais consciente do próximo que a seu lado se abjurava ao teu amor.

Tu que sempre foste pessimista por natureza

(mulher do copo vazio)

parecias ter guardado para ele o último reduto de beleza que parecia subsistir na tua cabeça, levando-me a pensar que um dia de facto foras feliz. Mesmo sabendo que este não te amara nunca, que te colocara em banho maria num jogo que assumiste jogar. Dizes agora que lamentas ter perdido tudo. Que a tua inocência se foi na noite em que descobriste que não existias só tu e ele, que outros rostos se fundiam nos dias que partilhavam.

Contas-me que te serviu toda a história ao jantar. Pelas vinte e uma horas e mais um minutos, numa altura em que todas as mesas do restaurante estavam já ocupadas, ele começou a falar com voz suave, em tom cadencial como quem conta uma história de embalar. Mas tu, nesse dia, ao invés de saíres porta fora do restaurante, ficaste a ouvi-lo, deixaste que ele articulasse cada palavrinha e te revelasse a desgraça que seria a desgraça dos vossos planos.

Ele continuou a falar, a dizer o que te escondia há já tanto tempo e eu comecei a ficar enjoado com a história. Quis sair dali,

(não quero sobremesa)

explico-te que já sei tudo o que havia para saber: não quero que continues. Resolve tu isso com ele; não tenho que me meter. Mas por um mórbido ímpeto, Miguel continua a falar e com a voz num murmúrio explica ponto por ponto tudo o que foi a vossa vida nos últimos tempos; não aquela que conhecias, mas aquela que existiu, ao abandono de ti, com os restantes rostos fundidos nesses dias.

À medida que este vai falando, vou trocando olhares contigo e indico-te a direcção da porta, mas tu, obcecada, olhas apenas a boca que tanto desejas. Segues cada palavra que se forma em seus lábios secos e que este molha em pequenos tragos de água. Cada gesto seu é um momento religioso que cegamente respeitas e segues. Eu profano-te. É com ele que tu encontras a tua transcendência, pois comigo sempre disseste que

Éramos diferentes

(e que eu não te admirava, que eu facilmente conseguiria arranjar alguém mais parecido comigo ou nas tuas estranhas palavras, para utilizar o teu estúpido eufemismo: melhor)

O empregado aproximou-se agora e pergunta ainda se queremos sobremesa

- já disse que não, respondo.

Miguel afasta-o com um olhar, tu não respondes. Ele segura-te na mão e olha-te nos olhos; derrotado, o empregado regressa à cozinha com a carta na mão e ficamos tu, eu e ele. A mão dele a segurar a tua, os seus olhos a perfilharem os teus. Boca infame que tanto desejas e que observas articulando cada palavra. O restaurante a prosseguir no habitual reboliço, entre pedidos e refeições regadas com bom vinho. Eu Tu Ele. Gente a mais para aquilo que pretendia transformar em sinergia solipsista. A gravata que ele desaperta com a mão livre e o arranjo no cabelo mal ensaiado ao espelho.

Tu Ele.

Eu a abandonar a sala sozinho e humilhado. Triste.


Comments: aqui ou aqui:

Monday, March 15

Miguel


Um dia ligaste. Mas não disseste nada. Ficaste calada e esperaste que eu falasse. Meio envergonhado

embaraçado

deixei que acabasses por soltar um olá tudo bem. Estava sentado no meu velho sofá e tu vegetavas na tua cama de casal, oitavo andar das Olaias. Eu sentado no velho sofá da sala, sabia que em teus olhos uma lágrima contida a custo de um trago de dor, tentava soltar-se.

- Que se passa? Queres dizer-me algo?

- ...

- Mónica?

- Aconteceu.

- Que aconteceu?

- Simplesmente aconteceu

- Mas o quê?

- ...

- Caramba. Fala. Estou preocupado. Fala.

- Ele ligou-me

- Ele quem?

- O Miguel.

- e...

- e já não sei que fazer.


Comments: aqui ou aqui:

Saturday, March 13

Génese


No início, bem no início, disseste que vivias perto:

Interessante: Quão perto?

“Miracle23” Perto.

Interessante: Assim perto como daqui a tua casa serem dois minutos?

“Miracle23” ...

Interessante: Esse 23 é de idade?

“Miracle23” É, e tu? Que idade tens?

Interessante: 22.

“Miracle23” És um puto.

Interessante: Pois sou. Aposto que um aprendiz nas tuas mãos.

“Miracle23” Quem sabe?

Interessante: Que fazes da vida?

“Miracle23” Sou Professora.

Interessante: Tás a dizer isso só para me excitares ou és mesmo professora?

“Miracle23” Sou mesmo professora.

Interessante: Ah. Ok.

“Miracle23” Mas excitar? Como assim?

Interessante: Sabes como é... professora... tem o mesmo efeito que enfermeiras...

“Miracle23” Excitas-te com pouco.

Interessante: Depende.

“Miracle23” Depende do quê?

Interessante: Do que tiveres para me ensinar.

“Miracle23” Como és?

Interessante: Por falar em excitação...

“Miracle23” Estúpido.

Interessante: Sabes como é... o normal: bípede, posição erecta, polegar oponível...

“Miracle23” Pelo menos sabes alguma coisa de Antropobiologia.

Interessante: Já vi programas do Acontece com menos nível que este.

“Miracle23” Lol

Interessante: És professora de quê?

“Miracle23” Biologia.

Interessante: >Gostei da parte da reprodução.

“Miracle23” Pois, regra geral é que os miúdos gostam mais.

Interessante: Que queres dizer com miúdos? Tenho 22 anos.

“Miracle23” Nota-se.

Interessante: Que é que se nota?

“Miracle23”: Nada, esquece.

Interessante: Já esqueci.

“Miracle23” E olha lá, porquê esse nick?

Interessante: Fica assim tão difícil de adivinhar é?

“Miracle23” ...

Puto: Está melhor, Cinderela?

“Miracle23” Ligas a tudo o que te dizem é?

Puto: Não, estou a abrir uma excepção por seres tu

“Miracle23” Julgas-te com muita graça não achas? Levas muitas com essa conversa é?

Puto: Não, a maior parte faz-se de esquisita, mas contigo, pelo tempo que já tamos a conversar parece estar a surtir efeito...

“Miracle23” Tchhh... chego para ti... Tenho três irmãos. Em ironia não me ganhas

Puto: E em que é que mais eu perderia contigo?

“Miracle23” Lol. Isso agora... és um puto com muita treta.

Puto: Acho que vou levar isso como um cumprimento.


Comments: aqui ou aqui:

Thursday, March 11

Síndrome (*)


- Estou gorda

- Não estás

- Estou

- Não estás.

- Sinto-me gorda. Aposto que nem consigo entrar dentro das calças que me ofereceste.

- Que disparate! Claro que consegues. Comprei as calças dois números acima.

(Olhar fulminante)

- Por engano, por engano (embaraço). Tenho a certeza que as calças ainda te servem.

(Sorriso. Diriges-te ao armário e resgatas as calças.

...

Silêncio incómodo.)

- Pronto, está bem.... talvez estejas um pouco cheiinha

(Buáááá)

- mas eu gosto assim! Mesmo! A sério que gosto! (Aflito. Muito.)

(*) Para a Catarina, cumprindo desta forma a promessa que fizera a 16.12.2003


Comments: aqui ou aqui:

Monday, March 8

Sopro


Uma vez, perguntaste-me porque razão os lenços de papel, que comprava para ter comigo no tablier do carro, eram sempre os mais caros do hipermercado.

- Ora... porque as tuas lágrimas merecem o melhor, respondi-te.

Não te parece óbvio?


Comments: aqui ou aqui:

Saturday, March 6

Ecce Homo


Lanço-te beijos, como quem atira flores ao chão debaixo de teus pés – fagulhas incandescentes que se perdem no céu negro da noite, onde exaustos repousamos. Debruço-me sobre ti, largo-te um beijo sobre o rosto, percorrendo com a minha respiraçao os teus olhos nariz boca pescoço. Nas notícias das oito, dizem que

- Hoje vai haver uma chuva de estrelas.

A comunidade científica e orgãos de comunicação social ignoram a verdadeira causa daquilo que chamam de fenómeno astronómico ímpar: não sabem que aquilo que os fará estar toda a noite em branco é apenas as tuas lágrimas que, evaporadas do teu rosto subiram aos céus, onde agora, em estado gososo, ameaçam riscar o céu de luz. Vais já dizer que sou eu o causador dessas lágrimas, já sei. Que bem sei em que frágil estado tu estás e que uma vez mais não tive atenção a isso. Eu vou calar-me e tu vais insistir neste ponto. Vais ensair o número do choro e eu vou sentir-me abatido.

Mas em bom rigor, face a tudo, mesmo temendo que te lances num pranto, apetece-me ignorar o sal que te escorre pelas faces abaixo e, olhos nos olhos, ao invés de me culpar, sinto-me impelido a afirmar, quase com orgulho, que esta deve ser a primeira vez que me imputas as responsabilidades de algo belo. E isso, não sei muito bem porquê, faz-me sentir mais humano.


Comments: aqui ou aqui:

Friday, March 5

O cheiro a sabão azul e branco


Vou comprar a casa onde viveste, pensei. E ao mesmo tempo que pensei, marquei uma reunião com a prestável agente imobiliária que por sua vez reuniu na tua velha casa a tua antiga senhoria, eu e ela. E enquanto a agente e a tua senhoria vomitavam a ficha técnica do espaço

(50 metros quadrados, dois quartos, uma sala grande com varanda, boa vizinhança e espaço na garagem para dois carros)

tu estavas de avental na cozinha, ao fogão, a salpicares a comida de oregãos e sal, a pores os pés de molho em água e sal no quarto e deitada no sofá da sala só com o robe por cima, indiferente a nós, ocupada com uma revista. Mais tarde passámos ao quarto que tu usavas como escritório e eis que te encontro escrevendo sobre a mesa, onde jazem livros de exercícios, lápis, canetas e borracha – documentos de trabalho e testes, como sempre muitos e atrasados, depositados a um canto do móvel, esperando a tua leitura.

A tua senhoria, que inicialmente começou por apenas ser tua colega de faculdade ignora ainda que conheço cada taco mal colocado no soalho; não saberá ela talvez que o sistema interno de aquecimento está avariado desde o dia em que munida de chaves de fendas e alicates, decidiste abrir o quadro e o fusível se queimou. Tu, derrotada e humilde, apanhaste um susto de morte e desde então passaste a usar aquecedor em todas as divisões para onde te deslocavas. Ela não sabe isto mas eu sei. Por isso, quando a agente imobiliária diz as palavras aquecimento e central, eu peço-lhe que faça uma pequena demonstração. A pobre senhora, coitada, dirige-se ao quadro onde tudo se passou e apercebe-se que não funciona. Coloca para cima os interruptores uma e outra vez; confirma a potência e volta a puxar as cavilhas.

- Deve ser do disjuntor, avança como um expert na matéria. Pouco convencido que me demonstro, pede desculpa e confessa não saber como funciona. Que aquele é diferente dos que está habituada, remata por fim, exausta.

(muito moderno, diz a tua senhoria, embaraçada, no meio de um sorriso e do rubror que lhe invadiu as faces).

À medida que dou cada passo, e te vejo em cada divisão, sinto que jamais aguentaria, estar um dia que fosse, uma hora, mais que aqueles minutos naquela casa. Porque nela habitas tu, o teu cheiro e os teus cheiros – o teu perfume, o champô para o cabelo, o amaciador da roupa e o odor a sabão azul e branco que distribuías pelo chão da casa. E enquanto vou caminhando

(Sente-se bem?)

revivendo em cada quadrado de ladrilho a vida que ali passei e vivo, vou-me emudecendo. Só por maldade e distracção, volto à história do aquecimento central. Embaraçada, a tua senhoria já se compromete a resolver o problema antes de eu ir para ali viver. Eu, embaraçado comigo mesmo, e querendo fugir, já respondo que não será por aí que deixarei de comprar a casa. Vejo que esse pensamento lhe alivia o rosto. O meu, por seu lado, confessa o crime que ali cometo.

Costuma dizer-se que nós só somos nós próprios quando ninguem está a olhar: e ali parece que toda a gente me olha: a tua senhoria, a agente imobiliária, as memórias os acontecimentos, a ideia de ti a ideia de mim quando nada era. Mas me sentia (in)feliz.

E por isso,

(só por isso)

corajoso e decidido, sem fazer mais perguntas ou dar respostas, fugi.


Comments: aqui ou aqui:

Wednesday, March 3

Index


Tu não gostavas da minha música, dos meus livros, dos meus CDs, dos filmes que eu gostava. Não gostavas de pintura, de teatro, nem de bares à noite ou do cheiro dos cigarros. E eu não me importava com isso, o que me aborrecia era dizeres que eram

- paneleirices de pseudo-intelectual,

o facto de existir alguém que pudesse gostar de tudo aquilo que tu, por preguiça ou crueldade, não dominavas e tão pouco fazias um esforço por gostar, como se fosses detentora de um index que ensinasse tudo o que poderia ser objecto de admiração e bom gosto.

Devolve-me por isso o Faulkner e os volumes do Vergílio que lias, porque um anterior namorado também te dissera que eram bons. De qualquer das formas, sorveste as palavras sem as sentires realmente. Volta para as mini séries da TVI e para os concursos do canal 1. Perde-te com a vida alheia dos personagens da novela das nove, maravilha-te a descobrir talentos imensos nas supostas chuvas de estrelas que brilham todos os dias à noite num televisor perto de ti. Eu não voltarei esta noite. Isso é seguro.

Disseste ontem, à altura em que batia a porta de entrada, que não ias ver o novo filme do Woody Allen comigo porque ele é um parolo. Já terei passado em branco pelo menos umas boas três estreias deste tipo, porque dizes que os filmes não têm pés nem cabeça, é um novelo redondo e confuso onde não achamos a ponta. Que o cinema é isto e aquilo, uma distracção um fait diver, e que eu tenho sempre a mania de ver poesia no escarro que os actores lançam no chão; que possivelmente o realizador nem quis dizer nada daquilo que eu julgo que ele quer dizer mas eu, pateta, sigo nesse oco discurso de que

- Piadas inteligentes, digo, seco, interrompendo. Paneleirices de artista, já sei, vais dizer, mas nem ouço, porque eu já saí porta fora, nem um beijo te dei antes de deixar e tu,

(na azáfama de mudar de canal e folhear a estúpida revista com muita cor e fotografias e castelos cor de rosa, pouco texto, adquirida no quiosque junto à escola)

nem te deste conta que estás aí, deitada ao comprido, na luz fusca das duas velas junto à lareira

(en)fim

sozinha.


Comments: aqui ou aqui:

This page is powered by Blogger. Isn't yours?